• Laís Vargas

Porque escrevi meu primeiro livro fora do Brasil


Todo mundo tem um sonho de criança. Uns sonham em ser jogador de futebol, outros em ser astronauta, professor ou bombeiro.


Pelo título desse texto você deve imaginar que o meu sonho era ser escritora, né?


A verdade é que, quando eu tinha 11 anos de idade, queria ser jogadora de basquete e jornalista investigativa (na minha cabeça de criança eu conseguiria conciliar as duas carreiras facilmente).


Paralelo a isso, meu sonho era escrever um livro.


Aprendi a ler aos 6 e lembro bem da sensação que tinha ao conseguir ler os outdoors nas ruas enquanto minha mãe esperava o sinal verde aparecer. Comecei a ler muito nova e nunca parei…


Nunca imaginei que alguém pudesse viver só de livros a não ser o Paulo Coelho, a J.K. Rowling e a Martha Medeiros (eu amo o jeito que a Martha escreve e me inspiro muito nela. Seu jeito simples de falar e "bater um papo" com o leitor é fantástico).


Escrever um livro é uma realização pessoal e muitos me perguntaram qual é a parte mais difícil ao lançar o primeiro livro.


Pode parecer óbvio demais, mas o mais difícil é, simplesmente, escrever.


Com toda a correria do dia a dia, focar na escrita pode ser uma tarefa quase impossível.


Para vencer os e-mails, as mensagens dos amigos chamando pra beber e o conforto da minha casa - já que trabalho no home office -, comprei uma passagem para Santiago do Chile para ficar isolada durante uma semana.


Ainda criança, ao me imaginar escrevendo um livro, sonhava que estaria fora do Brasil, numa espécie de chalé e isolada do mundo.


Na prática não foi bem isso que aconteceu…


Como não conhecia o Chile, achei que essa seria uma boa oportunidade.


As passagens aéreas são baratas, a viagem de avião é curta e, fora Santiago, conseguiria conhecer lugares próximos como Valparaíso, Viña del Mar e Embalse El Yaso.


Ao ter a ideia do livro, comecei a organizar as ideias, comprei a passagem pro Chile e reservei um hotel na região central da cidade. Dessa forma eu conseguiria explorar a cidade a pé, o que ajudaria na inspiração com novas paisagens.


Meu foco se dividiu em dois: escrever e conhecer a cidade.


Sem os e-mails, as tarefas de rotina e os amigos por perto, consegui me concentrar em um nível fora do normal e escrevi muito em 7 dias.


Viajar é uma espécie de inspiração pra mim.


Estar perto de uma nova cultura, tentar se comunicar através de uma língua diferente e andar o dia inteiro em busca de um lugarzinho para tomar um café são coisas que eu amo!


O Chile ainda tem um ponto muito positivo quando o assunto é escrever: Pablo Neruda.


Ele foi considerado um dos poetas mais importantes da língua castelhana no século XX e recebeu o Prêmio Nobel da Literatura na década de 70.


Neruda ainda é muito presente em todo o país!

O resultado disso tudo foi o lançamento do meu primeiro livro HACKEANDO O PPT: 100 dicas para criar apresentações inovadoras e sem firulas.


O processo de escrita durou duas semanas, uma no Chile e outra no Brasil.


O lançamento do livro em si, desde a ideia até o lançamento oficial durou 2 meses e meio. (mas essa história vou deixar para contar detalhadamente em outro texto…)


Você pode achar que foi rápido demais, porém meu objetivo estava muito claro e eu sabia exatamente onde queria chegar.


Para não depender de editora, acabei lançando com exclusividade pela Amazon, mas quem sabe algum editor vai ler esse texto e se interessa em publicar o livro físico? :)

HACKEANDO O PPT não é um livro, é um manual para todos os profissionais que precisam criar apresentações mais eficientes e mais profissionais.


HACKEANDO O PPT não é apenas meu primeiro livro, é a realização de um sonho (o segundo que realizo em 2019).


E você? Está realizando os seus sonhos ou está deixando tudo pra depois?

Você pode comprar meu primeiro livro HACKEANDO O PPT clicando aqui. Se você não tiver um Kindle, pode ler no seu celular, tablet ou computador através da Amazon ou App Kindle.

Leia esse e outros textos no meu LinkedIn.

Assine a Newsletter Sem Firulas para receber conteúdo toda segunda-feira.