• Laís Vargas

Perguntas frequentes sobre apresentações: parte 1



Quase todos os dias recebo mensagens com dúvidas sobre o universo das apresentações. Para quem não sabe, há poucos meses co-fundei o MINIMIZA, empresa que cria apresentações sem firulas para ajudar marcas e empreendedores a se comunicarem de forma mais eficiente através de slides simples, porém impactantes.


Notei que muitas perguntas se repetiam e nem sempre eu conseguia dar a atenção necessária para responder todas elas. Foi aí que tive um insight:

"Por que não criar uma série de textos com as perguntas que mais recebo? Uma espécie de FAQ das apresentações!"

E cá estou eu, escrevendo o primeiro artigo desta série, onde vou responder 3 perguntas de forma completa! Para que seja realmente um FAQ, vou inserir a pergunta e respondê-la em seguida, de forma individual e com um exemplo prático também :)


Como posso escolher a melhor fonte para a minha apresentação? Quais são as suas dicas para harmonizar as fontes?


Se você está criando a apresentação para um cliente ou para a empresa que você trabalha, provavelmente já possui duas famílias de fontes pré-definidas.


Quando há famílias de fontes no brand book (manual da marca), use essas fontes! Essa é uma forma da sua plateia criar identificação e fazer o link entre a marca e os slides (essa teoria também funciona quando falamos de cores corporativas).


Se não existe brand book ou você está criando uma apresentação em que há total liberdade para criar, eu indicaria que você escolhesse duas fontes (no máximo três), sendo uma delas mais “quadrada” e de fácil leitura e as outras duas um pouco mais cursivas e arredondadas.

No exemplo a seguir, veja que são utilizadas duas fontes: a primeira mais desenhada (provavelmente a fonte é “Lobster”) e a outra é mais chapada (provavelmente é “Bebas Neue”).


Além disso, foi destacada a palavra “SLIDES” através do tamanho da fonte – diferenciando do restante do texto – e utilizando uma cor diferente.  

Legenda: Exemplo de slide que usa 2 fontes diferentes, porém complementares.


Em uma apresentação corporativa “padronizada”, como mostrar os resultados trimestrais da empresa? Como fazer diferente e se destacar?


Essa é uma pergunta que sempre me fazem ao final de palestras. Pela minha experiência, os principais erros são a quantidade de informação por slide e a falta de preparação para a reunião.


O que mais ouço é: “meu chefe pediu uma apresentação com até 10 slides”. Nesses 10 slides, você vai precisar falar sobre 5 tabelas, 8 gráficos, inserir highlights e fechar com uma conclusão (apenas um exemplo hipotético).


Agora eu te pergunto: que diferença faz você usar 10 slides ou 50 se a informação será a mesma?


O grande problema das apresentações corporativas é se limitar ao número de slides enquanto deveria focar na informação mais importante. Se você precisa expor 5 tabelas, coloque uma tabela por slide. O mesmo serve para gráficos e até para highlights.


Já disse isso em algum artigo e repito: slide é de graça! Você pode criar quantos quiser!

Se o seu chefe achou a apresentação longa demais, é porque tem informação demais, simples assim. O que é mais importante? O que deve ser priorizado?


Se você adotar a Regra 1:1 (uma informação por slide), sua apresentação corporativa dará um gigantesco salto, pode ter certeza disso!


Para chegar ao próximo patamar, tente inserir um pouco de storytelling na sua apresentação. Ou seja, ao invés de mostrar gráficos e tabelas de forma expositiva, crie uma história para contextualizar o cenário. Assim esses gráficos e tabelas farão mais sentido para quem está assistindo.

Legenda: Uma ótima alternativa é criar infográficos! Minha dica é usar o Easel.ly :)


Qual é a melhor maneira de finalizar uma apresentação corporativa?


Independente do tipo da apresentação – corporativa ou não – particularmente não curto quem termina com o tradicional slide “obrigado”. Isso porque você já vai agradecer falando isso para as pessoas, então acaba sendo redundante.


Essa é a forma mais fácil, porém não acho que seja efetiva. Então ao longo do tempo fui desenvolvendo esse slide final e eu gosto de seguir dois caminhos:


O primeiro deles é com um call-to-action, que seria uma frase que chama para a ação. Dessa forma, eu finalizo a apresentação chamando o público para agir ou fazer algo referente ao que eu disse:

“Vamos revolucionar juntos?”
“Vai continuar fazendo a mesma coisa de sempre?”
“Por que não começamos a praticar agora?”

A frase final pode ser uma provocação ou algo que você queira que as pessoas reflitam. Aqui não tem certo ou errado, vai depender do tema, do público e do conteúdo em si.


Outra forma que gosto de terminar é com uma frase que resume bem o meu discurso ou sobre determinado assunto. Por exemplo, se falo de tecnologia, por que não terminar com uma frase do Bill Gates?


Cada um tem o seu estilo, você deve encontrar o seu. Ao longo dos anos vi que esses dois caminhos fazem muito sentido e me sinto confortável encerramento uma apresentação dessa forma. 



Legenda: Post do Instagram oficial da Forbes Brasil (@forbesbr).


Esse foi apenas o primeiro texto dessa série. Qual é a sua dúvida? Deixa nos comentários para eu responder no próximo FAQ :)

Leia esse e outros textos no meu LinkedIn.