• Laís Vargas

O que o Oscar 2020 ensinou sobre storytelling



O último domingo foi histórico! Se você estava acompanhando a maior premiação do cinema mundial, saiba que presenciou um fato inédito.


Foi a primeira vez na história do Oscar - em mais de 90 cerimônias - que um filme de língua não-inglesa vence o principal prêmio da noite.


Torci muito para Parasita ter o destaque que merecia e confesso que esse foi o único motivo para eu ter ficado acordada até tão tarde. Ainda bem que teve final feliz e valeu muito a pena.


Parasita abriu as portas do Oscar para o mundo!


Emocionante ver o elenco completo em cima do palco ao lado do diretor Bong Joon-ho - também premiado nas categorias Melhor Diretor, Melhor Roteiro Original e Melhor Filme Estrangeiro - sem contar os discursos em sul-coreano, língua original do filme.


Assistindo o Oscar 2020 vieram à minha cabeça três coisas que a premiação desse ano nos ensinou sobre storytelling - e aqui estou falando do storytelling corporativo mesmo, aquele que precisamos criar para que os PowerPoints façam sentido durante convenções, eventos e reuniões de trabalho.


Eu sei o quão difícil é roteirizar uma apresentação.


O segredo é se inspirar no roteiro do seu filme preferido e, sem dúvida alguma, Parasita tem um lugarzinho especial na minha nova lista...


Veja o que Parasita e tantos outros filmes indicados me fizeram refletir sobre storytelling durante a premiação:


1. A verdade comove e encanta


"Histórias de um casamento" foi indicado em 6 categorias e levou o prêmio de Melhor Atriz Coadjuvante com Laura Dern. Uma produção original da Netflix com tanto destaque e muitos se perguntaram: por que o filme estrelado por Scarlett Johansson e Adam Driver é tão maravilhoso?


Pra mim a resposta é muito simples: o roteiro é verdadeiro.


Os diálogos, os conflitos, as dúvidas, as brigas, as incertezas, as inseguranças, as discussões… absolutamente tudo que acontece neste filme pode acontecer comigo, com você e com todos que estão à nossa volta.


São mais de duas horas em que você se vê na pele daqueles personagens e storytelling é isso: você despertar diferentes emoções em quem está te assistindo e também saber se colocar no lugar do outro para entender verdadeiramente os sentimentos.


2. A história é mais importante que a técnica


O filme de guerra "1917" era o grande favorito da noite, mas acabou ganhando prêmios técnicos. O mesmo aconteceu com "Ford vs Ferrari" que, apesar de não estar concorrendo em categorias principais, ganhou duas estatuetas técnicas.


Isso significa que, apesar da montagem do filme, da mixagem de som, do figurino, da maquiagem e tudo mais, quem venceu no Oscar 2020 foi quem tinha a melhor história.


Parasita conquistou os principais prêmios da noite e foi mais que merecido. Que filmaço!!!


As categorias técnicas são importantes? É claro que são, mas não são as que tocam o nosso coração. No final, o que importa mesmo, é a lição aprendida.


Então pense nessas 5 perguntas antes de criar uma apresentação:


  1. Qual é meu objetivo principal?

  2. Qual mensagem central quero passar?

  3. De que forma contarei a história?

  4. Quais emoções quero despertar?

  5. Qual lição ou reflexão essa apresentação vai provocar?


3. Se te chamarem de louco, saiba que você está no caminho certo


No ano 2000 surgia a Netflix, o maior serviço de streaming do mundo, mas a internet de alta velocidade ainda engatinhava. No Brasil ainda usávamos a internet discada…


Os fundadores foram até a Blockbuster fazer uma oferta: 50 milhões de dólares pela Netflix. O CEO da Blockbuster riu da proposta, achou caro demais e desdenhou do modelo de negócio dizendo que nunca daria certo.


Em 2011 a Blockbuster declarou falência e, em 2020, a Netflix foi o estúdio com mais indicações no Oscar: 23 indicações por 8 produções diferentes.


Apesar de "O Irlandês" ter sido esnobado e a Netflix ter levado apenas duas estatuetas - Melhor Atriz Coadjuvante e Melhor Documentário - ver a Academia reconhecer um serviço de streaming já é um grande avanço.


A Netflix foi ousada e fez o que ninguém esperou que ela fizesse.


Criou produções com atores renomadíssimos e usou sua influência com muita estratégia para não deixar que a Academia vetasse sua participação. Nem consigo imaginar como é difícil convencer Al Pacino, Robert De Niro e Martin Scorsese a estarem juntas em uma produção que não vai pro cinema, né?


Ao escrever o roteiro de sua apresentação, lembre-se da Netflix e use estratégias de storytelling para não ser esquecido:


  1. Seja provocativo e faça a audiência analisar seus dramas;

  2. Use do humor para conquistar a simpatia (o que não significa contar piadas);

  3. Crie algo inusitado para causar surpresa nas pessoas;

  4. Abuse da criatividade com metáforas e elementos que te ajudem a contar uma boa história.


O Oscar 2020 foi apenas o começo para a Netflix.


Créditos da imagem: Veja / Editora Abril


Não posso deixar de expressar minha revolta por Lupita Nyong'o não estar na lista das indicadas ao prêmio de Melhor Atriz pelo filme Nós - sua melhor atuação na minha opinião - mas ver Parasita ter tanto destaque me fez refletir muito…


Tenho certeza que a 92a. cerimônia do Oscar marca o início de uma nova era. A era da verdade e do "que vença o melhor", assim como o bom storytelling deve ser.

Você faz suas apresentações pensando no roteiro dos seus filmes preferidos? Que tal começar a roteirizar suas apresentações agora mesmo com o e-note do MINIMIZA?

Assine a Newsletter Sem Firulas para receber conteúdos e novidades toda segunda-feira.


Leia este e outros artigos no meu LinkedIn.